Toc, toc, toc … é o passado!

setembro 7, 2010

Ontem eu estive naquele lugar tão cheio de energia. E eu estava leve, com novos e velhos amigos ao meu redor, se misturando e se gostando. E confesso, que se eu estivesse bebada, chapada, louca, teria dado um bom efeito visual na minha cabeça ver toda aquela gente que eu gosto curtindo tudo ao meu lado! Mas não estava, e tudo foi bom do meu jeito normal de ver a vida, la de cima do camarote e dar um sorriso sozinha feliz e satisfeita de fazer parte dessa massa feliz!

Acordar no dia seguinte e não conseguir parar de pensar em você, justo você que não estava lá, me deixou um tanto quanto confusa! Entre frases bonitas, devaneios sobre “homens da vida, amores puros, cargas de emoção, etc” uma pergunta: “você tem alguma foto com ele?”. Sim, tenho, olha só: um clique na internet e elas estão todas lá. Fotos de sorrisos encaixados, de abraços, de beijos roubados e dados com sorriso no canto da boca! Eu quase sempre esqueço que essas fotos existem, mas hoje elas não sairam da tela do computador. E ai eu lia o seu ultimo post, e olhava para aquela foto, e me perguntava: por que deu errado? Não podia ter dado certo? A gente tinha tanta coisa boa, tanto amor, tantas manhãs na cama um gostando de olhar a boca do outro. Tantas noites dormindo nus juntos, tendo noção exata de cada pedaço do corpo do outro que se encaixavam. O jeito que eu secava seu rosto depois de fazermos amor. Eu beijava o seu olho por que gostava da curvatura que ele formava.  O jeito (único) que você segurava todo o meu cabelo em uma só mão durante os nossos beijos. O jeito que você esfregou as minhas costas no nosso único banho juntos. Aquele banho que eu nao consegui para de rir lembrando da cena anterior a ele. Lembra do nosso primeiro beijo? Fui eu que te dei! Lembra do dia que eu falei pra você, na fila da balada, que eu queria ser sua namorada? O jeito como seu quarto virou meu canto seguro no mundo, sua cama meu esconderijo. Eu sei, tem muita coisa ruim pra lembrar também. Tantas noites perdidas na escada do prédio que eu morava, tanto choro, tantas lágrimas, tantos “adeus”, tanta palavra que não serve pra outra coisa senao matar quem as ouve, tanta coisa feia também faz parte desse nosso passado. Mas tambem disso é feita a vida. Eu só não entendo como podemos preencher tantos posts dos nossos blogs um falando do outro, não entendo como podemos trocar e-mails tao densos, como podemos nos ligar de madrugada e nos mandar mensagens sem sentido, e ainda assim, sermos as pessoas mais distantes desse mundo. Não entendo, assim como você, por que a vida pregou essa peça! Acho que na vida, certas caixinhas vão conservar um coração batendo la dentro, certas caixinhas vão conservar as lembranças vivas. Talvez a sua caixinha seja uma dessas … eu queria permanecer ao seu lado! Talvez por puro egoísmo, talvez por medo de nunca mais encontrar alguem que sinta isso por mim, que me dê o título de “você” nos posts do seu blog, talvez por mera saudade do passado, talvez por saber que a vida podia ser tão gostosa ao seu lado e eu joguei isso fora! Não sei … só sei que me dói estar longe, me dói ser o você do seu blog, mas não estar ai criando histórias legais. Eu queria te ver por esses dias, conversar, andar no frio juntos … eu queria … mas sei que nao vai rolar, você ainda nao me perdoou!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: